Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Domingo à tarde

Senta-te, desfruta e serve-te enquanto vou ali fazer uma sestinha

Domingo à tarde

Senta-te, desfruta e serve-te enquanto vou ali fazer uma sestinha

Acordei burguês

Hoje acordei burguês, endinheirado até ao tutano, com posses por todo o lado desde Lisboa até aos campos de Caneças. Perguntar-me-ão, não sem antes com uma tremenda delicadeza e um sentido apuradíssimo de respeito: "Mas Conde David, o que o faz sentir-se uma figura exemplar e seguidora dos mais altos valores da sociedade?" e eu direi com palavras caras: "Porque sim." apagando o meu cachimbo, pondo no bolso o meu monóculo, que um dia haverá de ser apanágio dos Presidentes da República (quando a monarquia cair).

Na verdade estou a beber um café no cinema de São Jorge, em plena Avenida da Liberdade em Lisboa. Este acto de existir para um simples café é qualquer coisa de extraordinário.

Um dia convido os meus semelhantes, vossas excelências, para uma conversa neste espaço, ao qual darei o nome de "Conversas de Conde ao São Jorge" - aproveito e vou já ao notário, ate já.

IMG_20180104_091555.jpg

 

hippie-mrec

Comboios que são como a vida

Sai mais um atraso

Para os que, como eu

Ainda não se renderam

À combustão do seu espaço 

Pagando portagem

Pagando combustível 

Pagando o selo e o selinho

A inspecção que é tudo

Menos inspecção. 

 

Ou então

Renderam-se às evidências 

Que o tempo é tão curto 

Para tanta poupança

Que vale mais um atraso de uma hora

Que o atraso de uma vida.

 

A bordo de um comboio que engripou, parou por doença de alguém e ainda esperou pelos seus semelhantes que estavam atrasados. Aqui acontece tudo, é um bocado como a vida. 

hippie-mrec

3 questões fundamentais para o dia de hoje

1. Há ou não inscrição num ginásio?

2. Há ou não um maior respeito a partir de agora dos horários de sono? Acreditem, são demasiados anos de flagelo.

3. Há ou não vontade de começar a poupar em lanchinhos, snackzinhos e pequeno-almoçinhos e tudo acabado em "inho"?

 

Isto depois de dormir 10h, ter pensado em comer fora e ter tomado o pequeno - almoço e ter-me deitado no sofá. 

 

2018 é que vai ser!! 

hippie-mrec

12 desafios para 2018

  1. Emagrecer, dê por onde der;
  2. Alimentar-me melhor;
  3. Doar sangue mais vezes (sou dador mas andei parado por preguiça)
  4. Poupar, nem que a vaca tussa, porque preciso MUITO de poupar;
  5. Ler 10 a 12 livros bons (e não aquelas coleções Sabrina para cumprir o objetivo);
  6. Viajar para 2 destinos europeus diferentes;
  7. Escrever 1 publicação por dia em Domingo à tarde;
  8. Remodelar (quase) todo o vestuário que tenho neste momento;
  9. Ser mais organizado;
  10. Fazer 3 provas de atletismo no mínimo;
  11. Comprar prendas aniversário/natal com maior antecedência;
  12. Fazer um check-up;

E outras mais específicas que espero realizar.

 

Participem neste desafio também.

https://us.123rf.com/450wm/doomu/doomu1708/doomu170800085/84933930-blocks-with-the-transition-from-year-2017-to-2018-on-a-white-background-3d-rendering.jpg?ver=6

imagem

hippie-mrec

Ano novo será mesmo de vida nova?

Cena 1 de 365

É bonito (e até poético) acharmos que iniciamos um ciclo novo e que tudo vai ser melhor. Será o meu vigésimo oitavo ciclo de vida e nunca resolvi todas as minhas resoluções, se calhar nem metade, das que pretendi a cada ano que passou. Aliás, nunca soube bem o que queria ao certo, e fui vivendo ao sabor do vento (o que também é bonito) mas objetivamente pode custar-nos caro. Viver sem rumo é bom quando sabemos que nada nos pode magoar na vida, e por isso vivemos por aí de pé descalço na areia, deitados numa palmeira a ver o tempo passar. Se nos podem magoar, temos de nos proteger e isso inclui estarmos atentos, saber o que queremos mas sobretudo o que não queremos. A matemática explica isto muito bem, e nem é preciso gostar dela.

Pior é alguém achar que as resoluções saem do papel por mero milagre, sem esforço e complicação. Ninguém tem o direito a sofrer mas têm o dever de se sacrificar (por vós mesmos, não por mim), o que daria até uma certa atitude, valor e 'estaleca' para o que aí vem. Não podemos continuar a pactuar com o silêncio se queremos falar, com a inocência se queremos desbravar caminho, com a injustiça se não procurarmos a resposta (quer dizer, uma pessoa injusta sabe sempre a razão da injustiça).

É preciso expor, comunicar, mostrar, defender. Muitos dos problemas do mundo vêm da falta de comunicação e da vontade de o fazer.

E é preciso sair do papel para darmos valor ao que procuramos ser. Procurar ser alguém na vida dá trabalho, muito trabalho. Há quem tente de tudo e não consiga mas não é o mesmo que uma pessoa que nada fez e nada conseguiu, e muitas vezes pensa-se que sim, erradamente. É frustrante mas é bem real.

Se têm realmente um objetivo para 2018, trabalhem nele a partir de hoje, se ainda não o tinham começado. O relógio avança e ninguém dá conta. O problema é que o tempo também, e esse não volta atrás.

 

Vamos lá!

IMG_1515.jpg

hippie-mrec

Pág. 5/5