Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Domingo à tarde

Senta-te, desfruta e serve-te enquanto vou ali fazer uma sestinha

Domingo à tarde

Senta-te, desfruta e serve-te enquanto vou ali fazer uma sestinha

Em 2018 arrancará a nova mudança de tempo

Venho propôr uma alteração para 2018 que irá mudar para sempre o paradigma do tempo. Convencidos desta excelente frase? Vamos a isso.

 

Então é assim: as manhãs deviam começar às 11 da manhã, numa primeira fase, e às 15h numa segunda fase. É que esta brincadeira de as manhãs começarem quando o sol nasce tem de acabar. Há uma clara falta de respeito que dura há milhões de ano (literalmente) para todos aqueles que, na impossibilidade de se deitarem quando o sol se vai embora, não dormem as horas que deviam dormir.

E por isto é que respeito muito, e dou a minha vénia, a uma instituição que diariamente me permite estar onde devo estar sem recorrer ao meu próprio relógio biológico. Uma instituição que, mais do que cumprir com a sua obrigação, é pontual, eficaz e chateia até ao ponto em que uma pessoa embirra com as suas próprias obrigações. É mascarado constantemente pelas pessoas, numa clara alusão ao desrespeito que o humano tem por quem lhe ajuda nas suas tarefas do dia a dia, inclusivamente até para beber água.

Com esta mudança de horário, teríamos possivelmente de dissolver esta instituição. E é por isso que digo...Obrigado despertador.

 

apoio-escolar-pnl-billboard

#6 Chucha-me o nabo

Hoje trago um tópico muito interessante para reflexão: viver em sociedade. E reveste-se de uma profunda importância porque não vivemos sozinhos no mundo e teimamos (uma vez mais este indivíduo generaliza mas já sabem que é para facilitar o trabalho) em esquecer que, independentemente de levarmos vidas complicadas, não podemos tomar por certo a nossa liberdade só porque estamos no nosso espaço, na nossa casa, no nosso lar. As leis, deficientes às vezes por não contemplarem todos os casos, vão existindo aqui e ali. A acção das autoridades vai existindo aqui e ali. Mas encontrar soluções em nós próprios para respeitarmos e sermos respeitados depende de nós. É o barulho anormal a horas impróprias, a falta de limpeza de espaços comuns se de facto foi sujado, cuidados redobrados em casa à noite sobretudo porque qualquer acção em casa é propagado em sons pelo prédio (quem tem apartamento, obviamente), etc, etc.

Mas eu tenho uma teoria para isto, que mesmo acabando num "não quero saber", tem toda a razão de ser. Nós levamos vidas muito preenchidas, muito agitadas, muito condenadas pelo dinheiro que entra e sai de casa e naturalmente queremos viver além do tempo. Acontece que viver além do tempo inclui fazer coisas a horas impróprias porque não dão noutras horas mais amáveis para todos os outros. Por isso questiono: o que fazer de forma imediata? Como contornar, caso seja o caso, a falta de tempo para tarefas pessoais? E o assunto é-vos sensível? Contem tudo. 

apoio-escolar-pnl-billboard

o medo de perder a madrugada

Na madrugada da vida

ouvem-se o bater das lágrimas no chão

são tudo o que somos, o que sonhamos

são a cabeça, são os medos do coração.

 

As teclas do piano fluem

fluem notas, ouvem-se palmas no fim

é parte do meu sonho que não tive

que seriam parte de mim.

 

E no fim sobra o medo

que percamos tudo o que amamos

porque na lei da vida, hoje estamos bem

e infelizmente depois já não estamos.

 

Aquela voz, aquele timbre

aquela nota deprimida que não gosto

foi a gota de água para uma noite mal dormida

que pela manhã dará num sorriso, uma tristeza que não mostro.

apoio-escolar-pnl-billboard

E o vencedor é...a abstenção!

Capturar.JPG

 Há coisas neste país, mesmo sabendo que não é um mal exclusivo nosso, que me entristecem e que na hora da verdade me irritam. Nós (desculpem-me se generalizo mas é mais fácil) salvaguardamo-nos muito pouco do que nos acontece na vida, porque vamos vivendo muito ao sabor do vento e isto tem tudo para causar problemas. Se as coisas estão bem, estamos desafogados, vamos a abrir; caso contrário, vagueamos no lixo sem espaço para nos agarrarmos. E não, não estou a dizer que agora vamos viver com pés de meia e guardar aquelas roupas justas porque acreditamos um dia emagrecer para caberem. O que estou a dizer é que perdemos muitas vezes a razão porque não cumprimos com a minha parte. Eu pelo menos não tenho tomates para me queixar sem que tenha feito o suficiente para evitar isso.

E isto tudo para constatar os quase 50% de abstenção nestas eleições. Salvo algumas excepções por impossibilidade de votarem, muitos não tiveram desculpa. E a desculpa da desconfiança na política só piora, porque é exactamente nas urnas que se muda o destino das coisas.

O outro fenómeno é o do Isaltino, que reforça a ideia que tenho sobre as autárquicas de que as pessoas votam pelas caras e não pelos projectos, o que é erradíssimo. Precisamos urgentemente de reeducar o país para a política, introduzir nas escolas os conceitos/ideologias senão prevejo um futuro negro, com falta de pessoas minimamente competentes para mandar nisto. 

 

apoio-escolar-pnl-billboard

A democracia é uma utopia

A Catalunha mostrou-nos que a liberdade, a democracia são verdadeiras utopias. Aliás, mostrou-nos que afinal o mundo vive em concordância de valores, atitudes e desconfianças. Vive sobretudo numa sombra onde não há espaço para negar, para rejeitar o outro, para se ser diferente. Sou muito sincero quanto a isto: não me interessa muito se são ou não são independentes. Pouco me interessa o resultado do referendo, o que possa vir daí. Mas a democracia, o direito à escolha, a liberdade de expressarmos o que queremos, em que moldes queremos sem prejuízo de ninguém, faz-me uma comichão que nem imaginam. Não concebo haver pessoas com medo de terem opinião própria, uma escolha própria, sem que tenham de se esconder da sua própria morte, simplesmente porque os outros calam tudo o lhes apetece, por conveniência. Não concebo como é possível haver polícia que possa vetar o acesso às urnas, batendo inclusivé em quem por direito gostaria de votar, e votar sobretudo num rumo para a sua vida.

Volto a dizer: não quero saber da Catalunha, quanto muito afectará o acesso estrangeiro ao país/estado/região. Mas não tirem direitos nem a voz de quem, sem armas e ironias, só está ali para decidir por um sim ou por um não.

apoio-escolar-pnl-billboard

#6 O que fazer ao Domingo à Tarde?

Resumo da semana

Hoje é dia de irem votar. Votem muito porque ao menos estas eleições creio, e falo por todos, votamos mais em consciência. Isso e o referendo na Catalunha para ver se Espanha começa a partir-se de vez. Mas relatos para lá indicam que aquilo está pela hora da morte e que a guerra civil irá explodir novamente.

 

Temperatura durante a tarde

28º de máxima e 15º de mínima. Isto hoje está bom para apanhar o fresco das eleições e para uma praiazinha nas horas de maior calor para não termos tantas saudades do Verão que já lá vai. É a lei da vida.

 

Sugestão de pequeno-almoço

Hoje vai bem um menu pequeno-almoço daqueles da Bagga por 2,35€. Não me apetece pensar em comida a esta hora do dia, sobretudo a um Domingo. Tenho desculpa, tenho?

 

Sugestão de almoço

Aquela lula recheada marota com arroz. Eu acho que ia já de pequeno-almoço mas pronto.

 

 Sugestão de jantar

Ai não, não queriam sopa para o jantar. Então não sabem que só devíamos comer sopa ao jantar? E sem batata como esta! Vá, vá, se tiverem mesmo muita fome, enganem com uma gelatina.

 

Bom Domingo!

 

apoio-escolar-pnl-billboard

Pág. 4/4